sábado, 19 de outubro de 2013

O VELHINHO e as BIOGRAFIAS

Hellooooooooooooooooo agaaaaaaain

Essa semana, depois de seis anos, o Velhinho lançou um álbum de inéditas: NEW  .......

O Velhinho, como carinhosamente o trato, é Sir James Paul McCartney ............

Apesar dele não saber, somos íntimos ....... Já o vi por três vezes ....... Em 1990, 1993 e 2010 ......

Conheço detalhes de sua vida que, provavelmente, ele mesmo não deve lembrar ........

Essas "coisinhas" que sei dele não foram pauta da nossa última conversa de botequim, tomando um chopp

.......

Aliás, Paul dessa vez eu paguei, a próxima é sua ........ Leva a carteira .....

Sei porque li sua biografia ...... A autorizada, MANY YEARS FROM NOW, e algumas outras que, sei lá se autorizadas ou não, me montaram um escopo do homem por trás da obra ......

Durante as entrevistas de lançamento do álbum o Velhinho disse, abertamente, que um dos fatores que influenciaram nas composições de NEW foi seu terceiro casamento, relativamente recente.

Pergunto eu, Garbosos Infantes, como analisar e apreciar NEW, ainda mais depois desse comentário do próprio autor da obra, sem o pleno conhecimento disso e do que aconteceu anteriormente ?

É possível, e é correto, apreciar o efeito desconhecendo a causa ?

Alguns dirão: O HOMEM COMUM NÃO LIGA PARA ESSAS COISAS.

Mas certamente o homem comum é afetado por essas coisas e, me é muito claro isso, cabe essa análise. Ela se faz extremamente necessária.

McCartney sempre teve sua vida esmiuçada por todo tipo de análise/avaliação, jornalisticamente elaborada  ou não.

Mesmo assim, e é notório isso, é constantemente visto no Metrô de Londres e fazendo compras em supermercados.

Não quero aqui fazer comparações sobre a importância de A ou B para a história e a sociedade. Mas uma Figura Publica obviamente é publica . Políticos, artistas, atletas e, certamente, jornalistas tem uma atuação que transcende o seu universo pessoal.

Não vou entrar aqui no mérito do CASO GLORIA PERES. Essa argumentação é absurdamente frágil e  o problema nem existiria se tivesse sido resolvido, lá atrás, com uma simples injeção letal. Mas a legislação da Taba não prevê isso. Entretanto, contempla censura prévia de biografias.

Acho que esta na hora dessa turminha do PROCURE SABER descer desses pedestais onde se entronizaram e virem até o supermercado sentir o preço das coisas.

Quem sabe a gente não encontra com Paul, comprando tomates, e saímos para um chopinho e um papo ...... E olha, nem precisa levar dinheiro, dessa vez é ele que paga.

Vamos aguardar, sem respirar

Me and Julio down by the schoolyard



@image:antoniojorgemendes













5 comentários:

Marcos Peres disse...

Meu caro autor, as máscaras também envelhecem, esfarelando-se, e revelando assim, de maneira decepcionante, as verdadeiras faces que convenientemente se escondiam por de trás. No caso, pessoas adeptas do pensamento único, travestidas de democráticas. Já as pessoas autênticas, envelhecem como o Whisky: o tempo só faz a gente gostar ainda mais delas.

Antonio Siqueira disse...

As máscaras envelhecem, mandou com perfeição o amigo Marcos. Eu, por minha vez, vejo biografias de artistas vivos como o intestino grosso da literatura moderna.
Biografias de artistas (principalmente os da música) são tão inúteis! Geralmente muito mal escritas, servem apenas para enriquecer quem as escreve. Aliás, qualquer biografia é literatura de gosto bastante duvidoso. Lembram-me daqueles livros medíocres e fotonovelas vendidas no trem, só que em formato muito maior. Pouquíssimas publicações do gênero são realmente ricas e proporcionam algo de significativo e bom para o leitor que desembolsa uma bela grana para adquirir estes livros e permanecer ainda mais ignorante. Caetano Veloso é um indivíduo submerso em tantas contradições que conseguiu mediocrizar uma das obras mais ricas da Música Popular Contemporânea: a dele próprio. Caetano, Gilberto Gil, Roberto Carlos, Chico Buarque e Djavan encabeçam uma fileira de músicos que defendem o direito de veto a biografias, alegando proteção da privacidade, fazendo vigorar com força o artigo 20 do código civil. Como se estes senhores tivessem algo de muito rico, culturalmente falando, para se explanar ao público. Nada além de fofocas, estrionices símias, “disse me disse” e outras viadagens. Os exílios de Gil, Caetano e Chico foram, realmente, acontecimentos “épicos” na história da humanidade!

Antonio Siqueira disse...

Trecho da minha revolta, aqui mesmo neste site. :)

Unknown disse...

Não sou adepta de leitura desse tipo. Li poucas biografias. As que li, me foram de grande lição. A Do Sir Paul ainda não terminei mas com a leitura descobri e aprendi muito sobre o velhinho, seus amigos e sua vida, assim como a época em que tudo aconteceu... gerações e gerações....
Quanto ao direito ao voto, como advogada, digo que tudo é 50% possível, rs... Contudo, como pessoa, acho que quem não quer dar a cara a tapa fica em casa. Nada desse papinho de "não pode" ou "não quero". Penso que quem age assim mostra claramente o medíocre que é e comprova a pouca importância que tem para o MUNDO, que vai além da Bahia, GRAÇAS A DEUS!!!!

Alexandre Cortez. disse...

O episódio "Procure saber" só vai municiar novos escritores para a produção de mais biografias "não autorizadas". Agora com um capítulo a mais, é claro. A turminha deu um tiro no próprio pé. AJ ! Adorei conhecer o blog e agora virei aqui vez ou outra pra me deliciar com seus textos. Já era hora ! Abraços, querido !

Postar um comentário

Diga-me algo