segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Um poema ainda existe e canta à capela

 Voz
Por Antonio Siqueira 


By Sergio Cajado















  





Voz que ecoa,
Profunda voz que sobrevoa;
A mais bela voz
Trespassando o meu peito,
Num calafrio quase eterno.
Uma canção,
Uma cantiga,
Pra se cantar em letra, verso e prosa...
Sete notas,
Sete maravilhas,
Apenas um universo.
O melhor dos mundos
Nos versos mais íntimos
Daquela letra,
Daquele poema
Que te trouxe mais linda
Do que todas as flores
E flores nascem, vão embora e recriam outras milhões de flores urbanas
Nativas
Voz...
Que cantou a terra
E contou a minha história...
 


Imagem:
Elemental Prisioneiro Urbano numero 9, Tela de Sergio Cajado, São Paulo - Seculo passado
...

Musica: "Flor de ir embora" de Fátima Guedes na voz sublime de Márcia Cristina.



4 comentários:

Anônimo disse...

A sua poesia rompe algo dentro de nós, abre uma perspectiva boa, cara! como eu gosto desse blog, como eu gosto de você. Xô a amargura...Viva o amor e os bons sentimentos! Chega de bode!

Luana & Rafael - BH

Márcia Cristina disse...

Meu amor!!!!
Que maravilhaaa!!!
Lindo demais da conta!!!
E comigo cantando à capela...aff...
Não tenho palavras para descrever...mas...
Meu coração está "explodindo" aqui!!!!...
Chorando de tanta felicidade...
Ter você...esse poeta lindo na minha vida...é um presente de Deus...
Te amo ...mais e mais a cada dia...a cada instante...
Meus minutos vividos...agora fazem mais sentido...pois você está presente neles...
Beijo...beijoo...beijooo...
Da sua eterna admiradora
Márcia Cristina

Antonio Siqueira disse...

O que você canta não é deste plano, Marcinha...é de correr o mundo à fora, meu amor!
E canta, canta... canta mais!

Dayana disse...

Que coisa linda!

Postar um comentário

Diga-me algo