sábado, 8 de outubro de 2011

Um poema ainda existe

Dezembros
Por Antonio Siqueira
o visual do pensamento










Assim como a lua perfaz meu caminho
Replica minha alma que já foi doce, porém mais prudente
Os olhos da fera refletem nos meus
Contente
Sorrindo
Amo teu riso
Teus olhos
Minha lágrima afoita de medo e desejo
Rogo à lua que te traga
Mas que venhas sim
Com a paz das marés de abril
Trazendo flores de maio
Que durem por eternos dezembros


*English Version

Decembers


Just as the moon makes my way
Replica my soul, which was sweet, but more prudent
The beast's eyes reflected in my
happy
smiling
I love your laugh
your eyes
My tears of fear and desire reckless
I pray that they bring you to the moon
But rather that thou mayest
With the peace of the tides in April
Bring May flowers
That last for eternal Decembers.



*Music: 'Mirante' by Daniela Starling


8 comentários:

Anônimo disse...

Poeta Maravilhoso!!!!! <3

mariza disse...

entre maios e dezembros
um vigésimo terceiro dia
de primavera
em outubro
de amor
não tivesse existido
o que seria de mim?
do amor?

Anônimo disse...

Você desestabiliza qualquer estrutura firme com esses seus poemas que demoram, Antonio; Mas quando brotam aqui, me arranca suspiros e, às vezes, uma lágrima teimosa. E ainda por cima insiste que não é poeta. Então como é isso?
Muito bom da conta messss, mininu, rs

Luana - BH

baroni disse...

Mui belo!

Dayana disse...

Da-me o direito de amar de Janeiro a Dezembro.
Lindo lindo lindo e com direito à uma declaração de amor com menção de poeta, apaixonadamente primaveril a um escorpiano poeta e iluminado.

Celso Lins disse...

Um poema com a marca de Antonio Siqueira!

Anônimo disse...

Dezembros!
Gostei, brother. Vou olhar com mais carinho os "Dezembros".

Marcelo - RJ

Anônimo disse...

Queria escrever assim, como simplicidade, desprendimento e sentido prático: Curto e preciso, tocando no coração das pessoas.
Invejo isso, muito bom!

Ronaldo Poeta - Vila Velha ES

Postar um comentário

Diga-me algo