terça-feira, 4 de outubro de 2011

My place is good music


Sabor de mundo

Por Antonio Siqueira



     











     

      Não devo ter sentido nada parecido com o som de outras bandas. E olha que tenho 42 anos e 11 meses, passei por fases musicais que me remeteram ao pop, como qualquer adolescente ou jovenzinho sonhador. Por mais que se apurem os gostos, as inclinações musicais, a minha sempre foi essa universalidade, esse sabor de mundo incomparável que invade, das culturas mais primitivas, à guitarra furiosa de um virtuose, de um gênio aloprado, um som mais pesado, uma sinfônica impecável, a voz inesquecível e sublime; A simplicidade.

      O Coldplay é a prova de que a simplicidade é linda. Os quatro rapazes não são os músicos mais virtuosos e “animais” do cenário mundial, mas se alinharam harmoniosamente ao contexto pop. Um fenômeno que dura 10 anos com uma aceitação imensa, um som simples, com um rock tecno-apurado e belas baladas para relaxar o espírito e a mente. De fato, há tempos não me sentia tão bem, tão vivo e altivo com o som de uma banda. Piegas ou não...Esses momentos de paz são gratificantes, e ao mesmo tempo, não têm preço.

      O Rock in Rio teve o excelente som do Sistem of a Down, a “Majestade” de Steve Wonder, a voz maravilhosa e a beleza de Joss Stone, o Caos Imperativo o Slipknot, o metal saudosista do Moto Head, o belíssimo show do Capital Inicial, o maravilhoso tributo ao Renato Russo e o carinho sonoro do Coldplay. O som desses garotos me é, por demais, especial por N motivos e talvez seja o amor que me fale com a autoridade que lhe é conferida... E o Chris Martin é bonito demais de se ver e ouvir.

      O Arte Vital disponibiliza um vídeo completo do Youtube com o mais belo show deste festival cheio de contrastes, mas que acabou colocando de vez o Brasil no roteiro dos grandes espetáculos musicais que correm mundo a fora:


English Version

Flavor World


There must have felt nothing like the sound of other bands. And look I have 42 years and 11 months, I went through phases of music that I forwarded to pop, like any teenager or young man dreamer. As much as it is established tastes, musically inclined, this has always been my universality, this unique flavor that pervades the world, the more primitive cultures, with a furious guitar virtuoso, a genius of nutty, a heavier sound, a symphonic impeccable, the unforgettable voice and sublime; simplicity.

       Coldplay is proof that simplicity is beautiful. The four boys are not the most virtuous musicians and "animals" on the world stage, but harmoniously aligned to the context pop. A phenomenon that lasts 10 years with great acceptance, a simple sound, techno-rock with a refined and beautiful ballads to relax the mind and spirit. In fact, there are times I do not feel so good, so alive and proud with the sound of a band. Hokey or not ... These are rewarding times of peace, and at the same time, are priceless.

       Rock in Rio was the excellent sound of "Sistem of a Down", the "Majesty" by Stevie Wonder, the wonderful voice and beauty of Joss Stone, Chaos Imperative Slipknot nostalgic Moto Metal Head, the beautiful concert Home Capital Inicial, the wonderful tribute to Renato Russo and affection sound of Coldplay. Their sound is my kids, too, especially by N motives and perhaps the love that I speak with the authority conferred on it ... And Chris Martin is too beautiful to see and hear.

       The Arte Vital offers a full video on YouTube this festival the most beautiful show full of contrasts, but rather just putting Brazil in the script of the big musicals running in the outside world:



Coldplay Rock in Rio 2011
(Full Concert)


8 comentários:

Ane Câmara disse...

Que doce surpresa me deparar com esse post aqui! Com um título que me toca a alma...
Sim, Coldplay me arrancou lágrimas, me proporcionou sensações deliciosas e únicas!

Beijos meus!

Anônimo disse...

lindo,lindo,lindo!!! \o)
estes meninos são apaixonantes... amooooo demaisss!!!

carinhoso abraço, Antonioni.
Neide.

Anônimo disse...

Eu estava lá, meu querido amigo!
E foi lindo demais.
Amei esse seu post. Os mais fresquinhos e politicamente corretos devem se perguntar que tipo de figura é essa que descreve tão lindamente um papo com Elomar Figueira de Melo e curte um som pop da pesada como o do Coldplay. - Que louco é esse?
É o Antonioni, sô! Mininu universalizadu e lindu essi, hahahahaha
Beijos
Luana Campanelly

Dayana disse...

O SOAD tocou aqui em Berlim tres vezes desde que estou aqui, são fodas! Eu curto o Coldplay também, acho agradável demais o som desses caras.
Beijo
Day

mariza disse...

de todas as artes a música é aquela que mais aproxima os homens, porque, talvez, exista aí a mão divina que faz com que os corações se harmonizem e se calem. e esse é o poder da música. calar o coração. independente da língua. independente de conflitos. do passado ou do que virá.
o coldplay fez uma belíssima apresentação, conseguiu reunir, numa só, todas as energias que lá estavam e também aquelas que, ausentes, cantavam sozinhas atrás de uma tela de tv.

parabéns pelo artigo, Antonioni, fonte boa e melhor quando um dos assuntos é música. eu faço questão de me embebedar.

Anônimo disse...

That your excellent article and well expressed the greatness of Coldplay.
Thank you, very good

Phil Bock
USA

Antonio Siqueira disse...

Obrigado, Marizoca.

"certas canções que ouço, cabem tão dentro de mim que perguntar carece, como não foi eu que fiz"...

tocar é um dom maravilhoso, mas existe outro dom que não tem preço: o dom de saber ouvir.
embebedemo-nos então...

Celso Lins disse...

Foi muito bonita a presentação destes caras. Demais o seu depoimento!

Postar um comentário

Diga-me algo