domingo, 24 de julho de 2011

A necessidade de tornar-se mito é quase mistica


Os bons morrem jovens

  Por Antonio Siqueira




















   
    
     Nas artes a única fonte da eterna juventude é morrer jovem, deixando assim a lembrança do que se é e foi até então. Perpetuar-se com o frescor do 'eternamente novo. As feições físicas, os feitos, a carreira no seu auge, enfim; o mito se torna eterno e se renova de geração em geração de humanos ávidos e, não obstante, carentes de talentos boas novas. Não foi diferente com o maior fenômeno da música contemporânea dos últimos 30 anos, a britânica Amy Winehouse. Amy foi encontrada morta, aos 27 anos, em sua casa na tarde deste sábado, em Londres. A notícia foi divulgada em primeira mão pelo Sky News, um canal de TV britânico. A causa da morte ainda não foi divulgada, mas tudo leva a crer que foi overdose, pois a cantora bebia em demasia e consumia substancias proibidas de forma quase industrial.

     E a carreira desta jovem de talento inquestionável foi curta demais! Amy Winehouse lançou dois discos e preparava o terceiro, ainda sem título nem previsão de lançamento. Seu sucesso foi alcançado com canções como "Rehab" e "You Know I'm No Good", faixas do segundo disco, "Back to Black". O último lançamento da cantora foi a canção "It's My Party", uma regravação de Quincy Jones, da década de 1960. Dona de uma voz poderosa, com timbres magníficos e uma capacidade de improvisação que a equiparava a ‘monstros sagrados’ do cool jaz como Ella Fitzgerald, Billy Holliday, Sarah Volghan e Nina Simone.

     Esse furacão de loucuras e talento, a cantora dos excessos e com recursos vocais de uma verdadeira diva, veio de uma família judia composta de quatro pessoas, viveu a infância e adolescência em Londres com pai Mitchel Winehouse, a mãe Janis e seu irmão mais velho Alex Winehouse.  Adepta de um estilo de vida atribulado, a sua carreira foi marcada por escândalos, exageros e problemas com as drogas,  o álcool e, inevitávelmente, com a policia. Consumia drogas desde os 18 anos. Deixou a clínica de reabilitação em 2010, onde realizou um tratamento contra a dependência química com o aval do seu pai.

     Por volta dos 10 anos de idade, Amy fundou uma banda amadora de rap chamada Sweet 'n' Sour, as Sour. Ela descreveu a banda como sendo "the little white Jewish Salt 'n' Pepa" ("a pequena Salt 'n' Pepa judaica").  Aos 13 ganhou sua perimeira guitarra e aos 16 já se apresentava profissionalmente ao lado de um amigo, o cantor de soul Tyler James. O primeiro álbum, "Frank", lançado em outubro de 2003, foi produzido por Salaam Remi. Diversas canções do álbum possuem influências do jazz e, todas as canções foram escritas por Winehouse. O álbum foi bem recebido pela crítica e sua voz foi comparada à de Sarah Vaughan, Macy Gray, entre outras. "Frank" foi indicado para o Mercury Music Prize 2004. O álbum foi lançado apenas no Reino Unido. Já o segundo álbum, "Back to Black", recebeu 6 indicações para o Grammy 2008, das quais venceu 5: Canção do Ano, Gravação do Ano, Artista Revelação, Melhor Álbum Vocal Pop, Melhor Performance Vocal Pop Feminina. Back to Black atingiu grande sucesso comercial, sendo o disco mais vendido de 2007(mais de cinco milhões de cópias no ano) e com mais de oito milhões de cópias vendidas no mundo inteiro até o primeiro semestre de 2008 e 13 milhões de cópias vendidas até 2010.


A diva Amy foi um ícone de estilo, trazendo em seu "look" uma mistura diversificada: os olhos cobertos por um forte delineador que lembrava o visual de cantores de rock; o cabelo (característica mais marcante no seu visual) era inspirado nos penteados das divas dos anos 1950/60; as roupas eram modernas. Suas roupas eram simples; sapatilhas de balé estavam quase sempre com a cantora.

     A lista de grandes mitos da musica que resolveram morrer jovens e no auge de suas carreiras é extensa e têm em Jim Morrison, Jimmy Hendrix, Janis Joplin e Curti Cobain o topo desta pirâmide sinistra que acaba de incorporar Amy Winehouse. Todos morreram por excessos cometidos com o álcool e drogas pesadas. Todos morreram praticamente com a mesma idade e com status de ícones máximos, verdadeiros fenômenos em todos os segmentos que se sucederam em suas épocas. Como diria Renato Russo (outro ícone pop, só que da MPB Contemporânea e ícone principal da Geração de Notáveis dos saudosos anos 1980), na sua canção “Os bons morrem jovens”: _É tão estranho, os bons morrem jovens/ assim parece ser/quando me lembro de você/que acabou indo embora/cedo demais... De fato é estranho, mas parece ser necessário nesse universo das artes, repleto de extremos e nada convencional. Às vezes, a necessidade de tornar-se um mito nos dá a impressão de ser quase mistica.


English Version

The good die young

     In the arts the only source of eternal youth to die young, leaving the memory of what it is and was then perpetuated by the freshness of the eternally new. The physical features, the achievements, his career at its peak, finally, the myth becomes eternal and renews itself from generation to generation of humans eager and yet, in need of good new talent. It was no different with the biggest phenomenon of the contemporary music of the past 30 years, Amy Winehouse. Amy was found dead at age 27 at his home on Saturday afternoon in London. The news was reported first hand by Sky News, a British TV channel. The cause of death has not been announced, but it seems it was an overdose because the singer was drinking too much and consuming prohibited substances in an almost industrial.


     And the career of this young talent was unquestionable too short! Amy Winehouse released two albums and prepared the third, still no title or release date. His success was achieved with songs like "Rehab" and "You Know I'm No Good" tracks on the second disc, "Back to Black." The singer's last release was the song "It's My Party", a cover of Quincy Jones, the 1960s. Possessing a powerful voice, with tones and a superb ability to improvise that matched the 'sacred monsters' of cool lies like Ella Fitzgerald, Billy Holliday, Nina Simone and Sarah Volghan.


     This whirlwind of craziness and talent, the singer of the excesses and vocal resources of a true diva, came from a Jewish family consisting of four, lived his childhood and adolescence in London with her father Mitchell Winehouse, her mother Janis and his older brother Alex Winehouse. Adept at a hectic lifestyle, his career was marked by scandals, excesses and problems with drugs, alcohol and, inevitably, with the police. Used drugs since age 18. He left rehab in 2010, where he conducted a treatment for addiction with the approval of his father.


     By the age of 10, Amy founded an amateur rap band called Sweet 'n' Sour, the Sour. She described the band as "the little white Jewish Salt 'n' Pepa" ("Little Salt 'n' Pepa Jewish"). At 13 perimeira won his guitar and at 16 she was performing professionally alongside a friend, soul singer Tyler James. The first album "Frank", released in October 2003, was produced by Salaam Remi. Several songs on the album are jazz influences, and songs were all written by Winehouse. The album was well received by critics and his voice has been compared to Sarah Vaughan, Macy Gray, among others. "Frank" was nominated for the Mercury Music Prize 2004. The album was released in the UK alone. The second album, "Back to Black" received six Grammy nominations in 2008, which won 5: Song of the Year, Record of the Year, New Artist, Best Pop Vocal Album, Best Female Pop Vocal Performance. Back to Black has achieved great commercial success, being the biggest selling album of 2007 (over five million copies in the year) and over eight million copies sold worldwide by the first half of 2008 and 13 million copies sold to date 2010.




     The diva Amy was a style icon, bringing in their "look" a diverse mix: the eyes covered by a strong eyeliner that resembled the look of rock singers, the hair (in its most striking feature visual) was inspired by the hairstyles of Divas of the year 1950/60, the clothes were modern. His clothes were simple, ballet shoes were almost always with the singer.


     The list of the great myths of music who decided to die young and at the height of their careers is long and have and Jim Morrison, Jimmy Hendrix, Janis Joplin and Cobain Curti comprise only the top of this pyramid sinister than just incorporate Amy Winehouse. All were killed by excesses with alcohol and hard drugs. All died at nearly the same age and status icons maximum, real phenomena in all the segments that followed in their times. How would Renato Russo (another pop icon, only the main icon and MPB Contemporary Generation of Notables of the nostalgic 1980s), in his song "The good die young" _and so strange, the good die young / so it seems / When I remember you / that went away / too soon ... It is indeed strange, but it seems necessary that the art world, full of extreme and unconventional. Sometimes the need to become a myth gives the impression of being almost mystical.


 Amy Winehouse - Best Friends





14 comentários:

Dayana disse...

Devo confessar que a conclusão da sua matéria me deixou chocada. Sem mais...é isso aí!

Celso Lins disse...

Fiquei sabendo hoje que o pessoal da EXPRESS ART prepara um tributo para a Amy e conta com o apoio do seu blog e do seu, é claro! Triste fim o da AMY!

Anônimo disse...

O que é bom dura muito pouco e na musica não é diferente.

Marcelo - RJ

Anônimo disse...

“Os bons morrem jovens”: _É tão estranho, os bons morrem jovens/ assim parece ser/quando me lembro de você/que acabou indo embora/cedo demais..."

...Amy nem teve tempo pra ser feliz!

Muiiito triste!!!!

Neide.

Daniele Esppenchutz disse...

É uma perda, que sem dúvida fará falta a todos.
Tão linda, tão cheia de talentos...

Obs: Como pode, a maior parte dos artistas americanos e até mesmo os brasileiros de grande fama," de importância musical" Não consegue fazer 15 ou 20 anos de Carreira!?

Certa vez li um artigo que dizia assim:
- Os artistas de grande valor musical se matal antes de 30 anos de carreira!.
E,esquisito isso no artigo comentava também que faz parte do show deles se matarem se drogarem para atrair mais um tipo de foco. Isso quem diz era um PSICÓLOGO.

Mais você acha que pode ser isso?

Antonio Siqueira disse...

Talvez seja a única forma de manterem-se eternamente jovens, Dani. Mas acho que é uma consequência mórbida mesmo. O sucesso chega cedo, as doideiras também, aí a morte prematura acaba sendo inevitável; não tem jeito. Se drogam, não só para atrair foco, mas principalmente para procurar um refúgio para a falta de liberdade que a fama os condena.
Bom ver você por aqui, Miss Esppenchutz!!!

Anônimo disse...

Repetindo o coment, pois errei feio.
Infelizmente, parece que eles precisam morrer cedo demais para se realizarem. É complexa essa vida na cena artistica, eu sei disso.
Que ela descanse em paz.

Martha Sandroni - SP

Anônimo disse...

Fim triste, pois por mais que se explique academicamente este fenômeno no qual morrem artistas fantásticos sempre nesta faixa etária, fica o exemplo deplorável para os nossos filhos e jovens mundo a fora.

Eloy

mariza disse...

somente agora consigo comentar essa postagem sobre a morte de Amy. antes não deu, fiquei chocada, confesso, em primeiro lugar porque considerava essa cantora a melhor entre as melhores de sua geração e uma das vozes mais bonitas que já ouvi, ao lado de Nina simone e Billie Holiday. e, em segundo, porque embora essa morte já tivesse sido anunciada por notícias cada vez mais frequentes a respeito de sua decadência física, fica difícil engolir mais uma tragédia desse porte, a de alguém sendo literalmente aniquilada por uma maldita dependência química.
o que, no início, foi escolha, deixou de sê-lo. ninguém escolhe morrer de maneira tão triste, a não ser que tenha perdido a mais importante batalha que é a de viver sem clausuras e livre de vícios.
não tenho mais pena da Amy, ela está livre do que a fazia escrava enquanto vivia. tenho pena é de quem não consegue trilhar um caminho sem estar atrelado a coisas ruins ou usá-las como bengala pra conseguir suportar os excessos que vida impõe.
grande perda, grande mesmo, mas sua voz permanece e permanecerá além da tragédia que a vitimou precocemente.

mariza disse...

errata: "(...) suportar os excessos que a vida impõe."

Anônimo disse...

Anônimo disse...

Sem palavras para comentar isso tudo, só posso parabenizar o autor da matéria.

Rita Lima

Anônimo disse...

Excellent keen analytical eye just for details and may foresee problems
just before they take place.

my web-site ... SEO

Antonio Siqueira disse...

Thank you very much!

Anônimo disse...

Hi there! I'm at work surfing around your blog from my new
iphone! Just wanted to say I love reading through your blog and
look forward to all your posts! Keep up the superb work!

Visit my site - Google

Postar um comentário

Diga-me algo