domingo, 12 de junho de 2011

Um poema ainda existe e é livre...


Paliativo












Dói
Sem aviso
Só respeita o clima
A temperatura ideal para fazer ranger os dentes
Alucina sem culpa
Metalucina...É metal pesado...
Delira, cúmplice que é, de átomos estranhos
Faz doer
Faz sem dó
Desata-me os nós, das mãos, do coração...da Garganta
A liberdade também não avisa
Se quer nos visitar
E desconhece o não
O amor é fruto
De uma guerra infinita
Entre a dor e a razão


Por Antonio Siqueira

4 comentários:

Silvia Schroeder disse...

Muito foda!
Adorei.

Letícia Palmeira disse...

De fato. Seu poema diz verdades.

Estive aqui ontem ouvindo Love Hurts. Fazia tempo que eu não ouvia.

Anônimo disse...

Palavras soberbas vindo de um homem que escreve de forma maravilhosa para alegrar qualquer segunda-feira que se preze. Amigo, 'cê é foda!

Marcelo

Dayana disse...

M A R A V I L H A e verso, Antonioni! Love Hurts!!! hummmm...

Postar um comentário

Diga-me algo