sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Um poema ainda existe

Insensato Epílogo 
Por Antonio Siqueira



Eu estou tão cansado
o convívio com a mentira aprisiona o espírito
Já me faltam as palavras
As que saboreio entre os dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Desfalecem em parcas consoantes
Ficaram tantas frases no passado
Que já não consigo escrever,
Falta-me força
As mãos trêmulas
O que meu insano olhar constrói
O que meu pensamento rejeita.

9 comentários:

Márcia Maia disse...

que beleza, queridamigo.
queria ter escrito este: ando me sentindo igual. ;)
beijo e beijo.

Magda disse...

Por que será que a poesia sofrida é sempre mais bonita? Amigo poeta, homem das palavras anestesiantes.

Anônimo disse...

Amor é tudo que move, amigo. Saiamos para fazer som! Isso diminui todas as dores possíveis.

Alex Freitas

Nálu disse...

Forjar a dor, transformando-a em poema, é um tipo de terapia que faz bem a quem dói, seja o autor ou ao leitor. E todo mundo entende a linguagem da dor, ela é a substância mais universal que pode haver.
Daí eu tenho que dizer: Que bom que você escreveu isso, Antonio. E também: Que pena que você escreveu isso, Antonio. Se eu pudesse, poupava todos os que amo, sempre.
Beijo grande!

Anônimo disse...

Meu irmão carioca e único. Lindo e triste, mas as coisas tristes são escritas com amor e isso eu sei que você tem em abundância e para o mundo. Vou fazer uma conta gmail só para poder postar aqui com a minha cara, pois seguir com yahoo não está vencendo.

Adoro você
Luana BH

Celso Lins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celso Lins disse...

Os melhores textos nascem da dor e da indignação. A própria História da Humanidade se manifesta mais interessante e atrativa nas tragédias, então: fodamonos sempre...não é?

Celso Lins, que sabe o que é dor e prazer na mesma intensidade.

PS: O comentário anterior saiu de "zica", hehehe

Antonio Siqueira disse...

Marcia, vc é poetisa de ofício...um primor!

Nálu: Você é verdadeira festa literária com talento e fibra inigualáveis.

Magda: Vamos conseguir aquilo tudo que me dissestes agora ao tel e com sobras.

Alex: Vamos nos encontrar no estúdio amanhã. Já mandei um mail confirmando minha presença.

Luaninha: Quando estive em BH para compromisso familiar em 2006 e conheci vc e sua family crazy, vc me mostrou que o mundo virtual pode ser caloroso, também, com os pés no chão.

Celso: Vá tomar um banho pra vc ir pra Teresópolis, pois a noite já caiu e não aguento mais seu bafo de café expresso....hehehe...seu comentário tá perfeito, amigo.

em suma: AMO VOCÊS!

Antonioni, que na essência é o homem mais feliz da terra.

Dayana disse...

Aqui em Colonia a tarde cai para a noite, muito triste e fria... cinzenta... deve chover. Esse poema é a cara de um tempo em que você escrevia compulsivamente a procura da letra que se encaixasse na metáfora das harmonias que criavamos. Que bom que você ainda arrisca, Antonio. Gostei muito.

Dayana

Postar um comentário

Diga-me algo